ENSP, publicada em 24/05/2011

Isabela Schincariol

Para identificar e avaliar experiências inovadoras de organização e gestão do cuidado hospitalar do SUS, está disponível, na página da ENSP, um inquérito eletrônico voltado para hospitais públicos, privados contratados ou filantrópicos em todo o país que tenham 100 leitos ou mais. Compreendendo a natureza complexa e multidimensional do cuidado em saúde, o trabalho volta-se para a análise dos limites e possibilidades de implementação de mudanças nos processos de trabalho em saúde e de melhoria da qualidade da assistência hospitalar. O inquérito tem como objetivo identificar e avaliar, nos hospitais do SUS, experiências de organização e gestão do cuidado, voltados para a introdução de inovações gerenciais neste campo.

O mapeamento será feito junto com os diretores, responsáveis e gestores de hospitais brasileiros, por meio de um questionário eletrônico padronizado, que será a base para a construção do retrato das iniciativas do país. Entre os principais produtos desta pesquisa estão a construção de um banco de experiências brasileiras de organização e gestão da atenção hospitalar pública, além da organização de um catálogo com as experiências mais relevantes de inovação/qualificação da gestão do cuidado hospitalar.

O inquérito faz parte do projeto Avaliação de Experiências Inovadoras no Âmbito da Organização e Gestão da Atenção em Hospitais do SUS, desenvolvido no âmbito do Programa de Apoio à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Saúde Pública (Inova-ENSP). O trabalho está sendo coordenado pela pesquisadora Marilene de Castilho Sá, chefe do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde (Daps/ENSP). A pesquisa pretende identificar experiências de organização e gestão do cuidado e de introdução de inovações gerenciais neste campo, num esforço para gerar conhecimento aplicável ao enfrentamento dos problemas de qualidade da assistência hospitalar no SUS.

De acordo com Marilene, existem alguns produtos possíveis dentro da pesquisa. “Entre os principais, destacam-se a construção de um banco de experiências brasileiras de organização e gestão da atenção hospitalar pública, cujo acesso será aberto, e a organização de um catálogo com as experiências mais relevantes de inovação/qualificação da gestão do cuidado hospitalar, que será divulgado pela ENSP”, comentou.


Segundo a pesquisadora, “além do inquérito eletrônico, as estratégias de investigação também envolvem o levantamento das experiências através de consulta às bases bibliográficas pertinentes, objetivando a identificação de experiências publicadas em artigos, livros, teses e dissertações; a classificação, descrição e análise das experiências levantadas por meio do inquérito; e a realização de estudos de caso com experiências mais relevantes selecionadas, incluindo visitas aos hospitais, levantamento e análise de documentos e dados, entrevistas individuais e em grupo com gestores e profissionais, entrevistas com usuários e observações participantes dos processos assistenciais”.

Questionário deve ser preenchido por profissionais qualificados

Com relação à etapa do inquérito eletrônico, de acordo com Marilene, é de extrema importância que o questionário seja preenchido por profissionais qualificados e que tenham conhecimento da realidade hospitalar, pois é composto de perguntas essencialmente técnicas e bastante específicas. “Queremos saber sobre a assistência hospitalar, os processos de trabalho, os protocolos assistenciais utilizados, os mecanismos, dispositivos e processos de gestão do cuidado utilizados pelos hospitais, entre outras condições importantes para a caracterização e avaliação das iniciativas mais relevantes adotadas pelos hospitais brasileiros com vistas à melhoria da qualidade assistencial, do cuidado”, apontou.

O questionário está organizado em dois módulos, cada qual contendo blocos. O primeiro módulo é voltado para a identificação e caracterização geral do hospital, em termos de localização, porte, perfil de complexidade, entre outros. Já o segundo visa mapear as iniciativas inovadoras de organização e gestão do cuidado hospitalar, com perguntas específicas sobre os dispositivos de gestão do cuidado, práticas assistenciais, processos de trabalho, condições materiais e tecnológicas.

“Em uma fase mais avançada do projeto, também acontecerão reuniões com gestores especialmente convidados, professores e pesquisadores de outras instituições, para uma profunda avaliação das experiências mapeadas”, falou Marilene entusiasmada, que continuou dizendo que “um dos desafios é discutirmos o que de fato pode ser considerado inovação neste campo, seu impacto sobre a qualidade do cuidado e as possibilidades de implementação dessas mudanças na realidade hospitalar brasileira”.

Unidade hospitalar recebeu login e senha para responder o questionário

Para responder ao questionário, cada unidade hospitalar recebeu, por meio de um ofício assinado pelo diretor da ENSP, Antônio Ivo de Carvalho, um convite com um login e uma senha de acesso próprio. Vale ressaltar que os hospitais com 100 leitos ou mais, que tenham interesse em responder ao inquérito, mas não receberam o comunicado do grupo de pesquisa, podem clicar aqui ou entrar em contato com a equipe da pesquisa para mais informações pelo e-mail: inovahosp@ensp.fiocruz.br.

Além de Marilene, o projeto também conta com a participação da pesquisadora do Daps/ENSP, na qualidade de vice-coordenadora do projeto, Creuza da Silva Azevedo, dos pesquisadores da Escola Sérgio Pacheco, Victor Grabois e Otávio Porto, da pesquisadora-visitante do Daps Lilian Miranda, da bolsista de pesquisa Marcela Cunha, da aluna de mestrado Raquel Andrade Barros e da bolsista de iniciação científica Herika Cristina da Silva, além de uma equipe especialmente contratada para o contato telefônico com os hospitais.

Fonte: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/materia/index.php?origem=2&matid=25020