27/07/2011

Marizete dos Santos Araújo saiu da Bahia com o marido para morar em Brasília. Na nova cidade, tiveram três filhos. O filho do meio tem sido um motivo de preocupação. Ele foi preso três vezes por envolvimento com drogas.

“Pra mim foi um choque quando ele foi preso, sabe. Toda a vida ele foi o mais custoso, mais desobediente, ele é muito teimoso. A gente sempre lutando, eu e o pai dele nunca deixamos faltar as coisas para eles não irem pro mal caminho, né.  Eu não posso dizer ‘foi fulano que levou ele para o mal caminho’, porque, no meu pensamento, a gente só vai pro lado errado porque quer.”

 

A dona de casa não abandona o filho, mas uma pergunta está sempre presente.

“Eu fico assim pensando, aonde foi que eu errei?”

 

Assim como Marizete, outras mães estão tentando responder essa mesma pergunta. Para o especialista em educação, Içami Tiba, o grande buraco na criação dos filhos é a falta de preparo dos pais para serem educadores. Segundo o pesquisador, que é autor de livros polêmicos como ‘Quem Ama, Educa’, o ideal nesse processo é que os pais busquem uma parceria com a escola.

 

especialista em educação e autor de livros, Içami Tiba

 

“Esse projeto tem um foco a ser atingido e a meta é fazer do filho uma pessoa que tenha autonomia comportamental, independência financeira e responsabilidade social. A autonomia comportamental hoje é para que o filho se torne independente, que tenha nome próprio, valores internos, para não ficar fazendo só o que ouve falar, o que a média faz. O jovem acha que toda a sua turma fuma maconha e ela também pode usar.”

E o que fazer para tentar ajudar o filho a não se aproximar do perigo? Segundo Içami Tiba, os pais devem impor limites e fazer com que os filhos aprendam com as consequências de seus atos.

 

Especialista em educação e autor de livros, Içami Tiba

 

“É importante que hoje os pais tenham mais controle sobre a vida dos seus filhos, que eles têm que corresponder  com as responsabilidades para conseguir liberdade, porque a pessoa que não conhece limites  ela sempre acha que tá controlando, porque desconhece a colocação de limites. A criança tá tão viciada hoje que soa como recompensa qualquer coisa que estamos dando, mas nós estamos sim recompensando a falta de educação. Então a educação hoje é alimentar os desejos das crianças. Agora, quando ele vai para as ruas que é que vai fazer  o papel de pai e deixar ele fazer tudo o que quiser?”

 

Içami Tiba ressalta que as escolas devem ajudar indicando livros que ajudem os pais a compreender o papel de educadores, para que juntos consigam sucesso nesse projeto de criar pessoas responsáveis que, no futuro, não vão buscar o prazer nas drogas.

 

Reportagem,Vanessa Silvestre

 

FONTE: MS/BRASIL