Dividida em três fases, a campanha vai estimular o uso correto de mosquiteiros/cortinados, o diagnóstico precoce e a finalização do tratamento

O Ministério da Saúde está lançando uma campanha inédita de mobilização contra a malária direcionada a 47 municípios nos estados da Região Amazônica (AM, AC, AP, PA, RO e RR). A Mobilização contra malária será dividida em três etapas: a primeira fará o estímulo ao uso correto dos mosquiteiros/cortinados. Essa fase é preparatória para a distribuição de 1,1 milhão de mosquiteiros impregnados com inseticida de longa duração.

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, considera de fundamental importância a conscientização da população na adoção de medidas de preventivas que levem à redução da doença. “O êxito de qualquer campanha depende do engajamento de todos: gestores, agentes de saúde e entidades parceiras”, afirma.

 A segunda etapa consistirá em conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce da doença. O estágio final, por sua vez, vai relembrar os pontos anteriores e incentivar a realização do tratamento completo, que varia de três a sete dias, dependendo do agente etiológico.  Alguns dos materiais que compõem a campanha são calendários, gibis, DVDs, jornais, folders, outdoors, mensagens de áudio, sites e anúncios para televisão e rádio.

Em todas as etapas da ação, os agentes da Estratégia Saúde da Família e de endemias vão orientar a população com base nos materiais da campanha. A ação poderá ser acompanhada pelo site do projeto www.mobilizacaocontramalaria.com.br,  em quatro idiomas: português, inglês, espanhol e francês.

Parceria – A campanha Mobilização contra malária integra o Projeto para Prevenção e Controle da Malária na Amazônia Brasileira, iniciativa patrocinada pelo Fundo Global de Luta contra Aids, Tuberculose e Malária. A ação é realizada pela Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) e pela Fundação Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FFM/USP), por meio da UnidadeTécnica (UT) e do Ministério da Saúde.

Os principais objetivos do projeto são: apoiar os municípios no controle da malária; aumentar os pontos para diagnóstico da doença; distribuir mosquiteiros; aumentar o envolvimento das comunidades em regiões de risco; e estimular o trabalho conjunto com os países vizinhos.

FONTE: http://www.saude.gov.br